O adventismo, o uso de joias e maquiagem – Parte III

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 Filament.io 0 Flares ×

Olá, tudo joia? Espero que sim e que não (#polissemia #trocadilho #piadaFail)

De início, pedimos desculpas pela demora deste exemplar. Estivemos estudando profundamente para levar o melhor conteúdo.

giphy.com
giphy.com

E lá vamos nós, de novo, nessa aventura bíblica, desvendando as suas narrações, com o contexto histórico, para chegarmos a uma conclusão contundente; fazer isso, obviamente, sem “forçar” qualquer texto bíblico para favorecer lados; deixar com que a Bíblia fale por si mesma, de acordo com o seu contexto, aplicando-a ao nosso contexto. Esse é o nosso objetivo. Espero, em Deus, que estejamos indo no caminho certo.

Sem mais delongas, boa leitura.

Paramos em Êxodo 33. Vimos que, no capítulo 25, Deus dá as instruções a respeito do Tabernáculo. Enquanto isso, o povo estava se corrompendo em adoração ao bezerro de ouro. Deus se entristece e afirma não mais acompanhar o povo em sua jornada à Canaã. Após o arrependimento dos israelitas, descrito no capítulo 33, o Pentateuco (torah, ou os 5 primeiros livros da Bíblia) não menciona coisa alguma sobre o povo usando novamente alguma joia ou algo do tipo e muito menos fazendo algum tipo de festa igual a descrita no capítulo 32.

(Caso você não tenha acompanhado as postagens anteriores, pode ler a Parte I e a Parte II.)

A escritora Ellen White afirma, no livro “Caminho à Cristo”, que “o arrependimento inclui a tristeza pelo pecado e o afastamento dele.” (p. 17). Eles se entristeceram pelo pecado que cometeram (Êxodo 33:4), mas sofreram com as consequências, tomando (to drink) o ouro do bezerro que fora derretido :

“E [Moisés] pegou o bezerro que tinham feito, queimou-o no fogo, moendo-o até que se tornou em pó; e o espargiu sobre as águas, e deu-o a beber aos filhos de Israel.” (Êxodo 32:20)

O povo não usava mais as joias, porque tinham bebido-na. “Que coisa, não?!” Deus, não obstante, havia construído o Santuário com outros materiais. A obra, no entanto, é iniciada pelos filhos de Israel a partir do capítulo 35 e a sua finalização é descrita no final do capítulo 39:

“Assim se acabou toda a obra do tabernáculo da tenda da congregação; e os filhos de Israel fizeram conforme a tudo o que o SENHOR ordenara a Moisés; assim o fizeram.” (verso 32) “Conforme a tudo o que o SENHOR ordenara a Moisés, assim fizeram os filhos de Israel toda a obra.” (verso 42) “Viu, pois, Moisés toda a obra, e eis que a tinham feito; como o SENHOR ordenara, assim a fizeram; então Moisés os abençoou.” (verso 43)

Seria de bom proveito ler todo o capítulo 39, pois nos fornece mais detalhes a respeito das roupas dos sacerdotes, sendo este a repetição do capítulo 28. “Fizeram também, de ouro puro, a lâmina da coroa de santidade, e nela escreveram o escrito como de gravura de selo: SANTIDADE AO SENHOR. E ataram-na com um cordão de azul, para prendê-la à parte superior da mitra, como o SENHOR ordenara a Moisés.” (verso 36)

Uma coroa! Não pense, caro leitor, que a palavra se designa a uma senhora idosa (#PiadinhaSemGraça)

tumblr_njmv7mrZjy1skmuavo1_500
youaremyriff.tumblr.com

Somente o sumo sacerdote podia usá-la. A palavra hebraica, no texto original, é “nezer”, a mesma que é designada para o objeto de ouro que fica na cabeça dos reis. Sobre a não utilização ou a “liberação” de joias, baseada nesse episódio, tem o mesmo argumento do artigo anterior e temos mais um argumento bíblico quanto a isso.

Veremos a seguir. Além dos adornos que são citados, percebe-se que o vestuário, para Deus, é importante também. Não adianta excluir ou condenar o uso de joias, maquiagem, etc., se o indivíduo não vai à igreja com os trajes adequados. Mas assunto sobre vestimenta, deixaremos para uma outra oportunidade.

É necessário ter um senso cristão e crítico também. O tempo passa, o povo vagueia 40 anos no deserto. Muitas coisas acontecem. Dentre elas: a instituição das festas judaicas; Moisés dá uma das últimas advertências ao povo para não se misturar com os cananeus, quando eles invadissem a Terra Prometida, pois causaria muitos problemas, incluindo a idolatria a deuses estranhos (Números 33:35); Moisés morre com 120 anos; Josué, tornando-se líder dos filhos de Israel, conquista várias cidades e regiões pagãs para tomar posse delas e assim cada tribo ficar com um território dividido em igualdade proporcional ao número de pessoas; Josué repete, em outras palavras, a advertência (“eu e a minha casa serviremos ao Senhor” #TextoFamoso) de Moisés à Israel, apelando para o povo não se misturar com as práticas idólatras dos cananeus; Josué morre com 110 anos e Israel não tem mais um líder como Moisés e Josué:

“E SUCEDEU, depois da morte de Josué, que os filhos de Israel perguntaram ao SENHOR, dizendo: Quem dentre nós primeiro subirá aos cananeus, para pelejar contra eles? E disse o SENHOR: Judá subirá; eis que entreguei esta terra na sua mão.” Juízes 1:1 e 2

Se permanecesse fiel a Deus, Israel seria o povo mais próspero do mundo. Todavia, aos poucos, ele se afastou do Senhor, porque começou a se misturar com os cananeus em sua idolatria a outros deuses. O povo foi punido várias vezes com opressões de inimigos vizinhos. Tudo isso, porque não havia dado crédito às palavras de Moisés e Josué. Mesmo assim, ainda tinha um grupo pequeno dentro do povo que permanecia inabalável nos caminhos de Jeová. Eles oravam a Deus de dia e de noite por Sua misericórdia.

Deus ouviu seus clamores e designou alguns homens (e uma mulher) para fazer Sua vontade, admoestando Israel e libertando-o de povos inimigos. São eles:

1- Otniel – livramento da opressão Mesopotâmica (Juízes 3:7-11); a terra ficou sossegada por 40 anos;

2- Eúde – livramento da opressão Moabita (Juízes 3:12-30). Governou por 80 anos;

3- Sangar – livramento da opressão Filistéia (Juízes 3:31); em seguida, o povo pecou e ficaram 20 anos sob julgo do rei de Canãa;

4- Débora e Baraque – livramento da opressão Cananéia (Juízes 4:1 até 5:31). Governaram por 40 anos;

5- Gideão – livramento da opressão Midianita (Juízes 6:1 até 8:35). Governou por 40 anos;

6- Tola – tempos conturbados sob Abimeleque (Juízes 9:1 até 10:2). Governou por 23 anos;

7- Jair – tempos conturbados sob Abimeleque (Juízes 10:3-5 ). Governou por 22 anos;

8- Jefté – livramento da opressão Amonita (Juízes 10:6 até 12.7). Governou por 6 anos;

9- Ibsã – livramento da opressão do Período da Judicatura (Juízes 12:9). Governou por 7 anos;

10- Elom – livramento da opressão do Período da Judicatura (Juízes 12:11). Governou por 10 anos;

11- Abdom – livramento da opressão do Período da Judicatura (Juízes 12:14). Governou por 8 anos;

12- Sansão – livramento da opressão Filistéia (Juízes 13:1 até 16:31). Governou por 20 anos;

13- Eli – 40 anos (1 Samuel 1:1 até 4:22);

14- Samuel – livramento do jugo dos filisteus; organização do Reino; último juiz (1 Samuel 7:15-17). Governou por 40 anos.

Fazendo as contas (informando com base no chute #VaiQueAcerta!) do capítulo 32 de Êxodo, que fala sobre o bezerro de ouro, até o capítulo 6 de Juízes, que fala sobre o chamado de Gideão, são 250 anos aproximadamente.

Com certeza você, amigo leitor, deve estar se perguntando: “O que tudo isso tem a ver com o assunto de joias, maquiagem, vaidade ou sei lá? E aquela pergunta sobre a história de José que está escrita no primeiro artigo?”

créditos: http://gatosdeluvas.tumblr.com/
gatosdeluvas.tumblr.com

Para entender em qual ponto queremos chegar, é necessário ler os capítulos 6, 7 e 8 do livro de Juízes. Mas antes, ore, abra a sua Bíblia e faça uma análise sobre a vida de Gideão. Veja qual foi o final da vida dele. Esse final tem tudo a ver com o nosso tema. Você se surpreenderá. Sobre a pergunta de José: a resposta será discutida na próxima parte desta saga interessante. Deus te abençoe. Amém!

“Porque melhor é a sabedoria do que os rubis; e tudo o que mais se deseja não se pode comparar com ela.” Provérbios 8:11

tumblr_lmauv5noW41qh3or2   Referências sobre a lista de juízes em Israel: http://biblia.com.br/perguntas-biblicas/biblia/foram-quinze-os-juizes-mencionados-na-biblia-depois-vieram-os-reis-cl/