Tradições

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 Filament.io 0 Flares ×

Conhecida no meio gospel, uma cantora audaciosa decidiu gravar uma música chamada Tradições. É necessário, porém, saber qual a representação que essa palavra carrega. Para alguns, por exemplo, ela traz um sentimento negativo no meio religioso. Já para outros, pode representar um padrão que deve ser seguido à risca. Percebe-se, portanto, que há uma disputa ideológica. Quem tem razão: os cristãos liberais – os que não são fariseus – ou os cristãos conservadores – os que são fariseus? Qual o perigo das duas ideologias ou não há dano nesse confronto? É importante afirmar que onde há opressão, há resistência. Quem oprime quem? Quem resiste a quem?

Em Deuteronômio, Moisés, inspirado pelo Espírito Santo, dá uma série de instruções ao povo:

“Agora, pois, ó Israel, ouve os estatutos e os juízos que eu vos ensino para o cumprirdes, para que vivais, e entreis e possuais a terra que o Senhor, Deus de vossos pais, vos dá. Nada acrescentareis à palavra que vos mando, nem diminuireis dela, para que guardeis os mandamentos do Senhor, vosso Deus, que eu vos mando.” (Dt 4:1 e 2).

Alguns podem pensar que esse verso não é repetido no Novo Testamento.

“Eu, a todo aquele que ouve as palavras da profecia deste livro, testifico: Se alguém lhes fizer qualquer acréscimo, Deus lhe acrescentará os flagelos escritos neste livro; e se alguém tirar qualquer coisa das palavras do livro desta profecia, Deus tirará a sua parte da árvore da vida, da cidade santa e das coisas que se acham escritas neste livro.” (Ap. 22:18 e 19)

É notório que o acréscimo ou a retirada de palavras da Bíblia causa um dano enorme a um homem e também aos seus seguidores. Será que essa ação só é feita, quando alguém realmente escreve ou retira as palavras das Escrituras? Podem seus ensinos, aquilo que você prega ou fala no púlpito da igreja, ser um acréscimo ou uma “tirada” da Bíblia?

Veja o caso de Eva:

“Tomou, pois, o Senhor Deus ao homem e o colocou no jardim do Éden para o cultivar e o guardar. E o Senhor Deus lhe deu esta ordem: ‘De toda árvore do jardim comerás livremente, mas da árvore do conhecimento do bem e do mal não comerás; porque, no dia em que dela comeres, certamente morrerás.’” (Gn 2:15-17)

“Mas a serpente, mas sagaz que todos os animais selváticos que o Senhor Deus tinha feito, disse à mulher: é assim que Deus disse: ‘Não comereis de toda a árvores do jardim?’ Respondeu-lhe a mulher: ‘Do fruto das árvores do jardim podemos comer, mas do fruto da árvore que está no meio, disse Deus: ‘Dele não comereis, nem tocareis nele, para que não morrais.’” (Gn 3:1-3)

Percebe que Eva acrescentou uma informação nas palavras de Deus? “Nem tocareis”. Será que isso foi determinante na história da raça humana?

Os judeus, outro fato que contribui para a chamada “Tradições”, criaram um segundo livro sagrado chamado de Talmud. Os ensinos eram passados oralmente de pais para filhos. Até que, num determinado momento da História, eles decidem materializar essa tradição oral em um compêndio, classificando-o em um livro que explica a Bíblia. Vale ressaltar que esse livro não tem inspiração divina, visto que não foi escrito por um profeta ou por um sacerdote sob a ordem de Deus. Veja, isso ia contra o que está escrito nos livros de Deuteronômio e Apocalipse.

Satanás também sabe que o uso de versos bíblicos, em contextos diferentes, pode causar dano ao homem. Ele é astuto, esperando que o pecador caia em tentação. Muitos têm sido instrumentos do Diabo, usando trechos bíblicos fora do contexto e de forma muito rasa, sem um estudo aprofundado sobre tal versículo. Alguns exemplos:

  • O sábado foi abolido por causa da carta aos Colossenses 2:16 e 17;
  • O Espírito Santo não existe por causa de João 17:1-3;
  • Não importa o que comemos por causa de Atos 10:9-16;
  • Não necessitamos dar dízimos à igreja por causa das epístolas de 1 Coríntios 9 e de Filipenses 4:10-20;
  • Tudo é lícito, desde que seja boa, conforme Filipenses 4:8 e 9.

É óbvio que a lista é grande. Diante disso, o que fazer para não cair nessas ideologias tenebrosas? Olhemos para o nosso Exemplo: Cristo Jesus. Nas conversas com o povo, Ele sempre usou o Antigo Testamento, principalmente contra os falsos ensinos dos líderes religiosos de Sua época. No deserto da tentação, Ele usou as Escrituras para confrontar uma ideologia maligna. O Pai da mentira (Jo 8:44) também usou a Palavra fora de contexto. O Filho de Deus era firme em Sua ideologia, conseguindo o ódio dos maus, por causa de Seu embasamento teórico-prático na Palavra de Deus. Haja visto que o padrão de Jesus era somente a Torah e os livros dos profetas, não deveríamos nós fazer o mesmo?

Cristo veio combater a tradição humana, teorias de homens não inspirados a respeito da Bíblia. A tradição divina, a Torah e os profetas, deve ser o nosso parâmetro, assim como ela foi ao Cordeiro de Deus. O problema é que o brasileiro não gosta de ler e nem de estudar. E, quando estuda, não consegue entender que precisa submeter-se à mente do autor do livro sagrado e não dar uma mente para tal porção sagrada do Livro dos livros.

Nas igrejas adventistas do Brasil, é perceptível que poucas pessoas estudam a Bíblia e o Dom Profético como realmente devem ser estudados. Exemplo:

  • Deus aceita meu louvor de qualquer jeito! Não interessa o instrumento e o estilo musical, por causa do Salmo 150;
  • Não preciso ser vegetariano por causa de Lucas 24:36-43;
  • Eu posso praticar coisas competitivas por causa de II Timóteo 4:6-8;
  • Não posso aconselhar o meu irmão, porque estou julgando-o, conforme Mateus 7:1;
  • Posso ir ao cinema por causa de Filipenses 4:8 e 9;
  • Eu guardo o sábado, porque eu durmo durante esse dia, conforme Êxodo 20:8-11;
  • Não preciso deixar de pecar, porque nunca vou conseguir fazer isso aqui na Terra, mesmo no Selamento, conforme Filipenses 3:12 e 13;
  • Podemos colocar peça teatral dentro da igreja, conforme… conforme… conforme… Bem, a Bíblia não condena isso. Já o Espírito de Profecia, sim!

“Era para o tempo de Ellen White e não para os nossos!”

“A Bíblia é bem mais velha que o Dom de Profecia, então posso dizer que as Escrituras Sagradas não são para o século XXI?”

É óbvio que a lista é grande. Diante disso, o que fazer? Lutamos como Cristo lutou: usando a “Espada de dois gumes, e [que] penetra até ao ponto de dividir a alma e espírito, juntas e medulas, e [que] é apta para discernir os pensamentos e propósitos do coração” (Hb 4:12)? Ou calamo-nos como fez Arão ao construir o bezerro de ouro, ou como os discípulos ao ver Jesus ser aprisionado, ou como Willam Foy e Hazen Foss?

“Caso alguém não preste obediência à nossa palavra dada por esta epístola, notai-o; nem vos associeis com ele, para que fique envergonhado. Todavia, não o considereis por inimigo, mas adverti-o como irmão.” (II Tessalonicenses  3:14 e 15).

O dano dessa disputa ideológica é a desunião na igreja. Hoje, a intolerância está aflorada na sociedade e isso respingou, quase que transbordando, entre os irmãos adventistas. Se você discordar de alguém, por exemplo, essa pessoa se torna a tua inimiga, mesmo sendo da IASD! Não é isso que Paulo fala.

A massa adventista do Brasil é liberal, atualmente. Liberal, porque deixou de estudar a Torah e os profetas (Ellen White é profetisa, só pra constar) como realmente deve ser estuada: com oração e jejum (vide Isaías 58). Eu me incluo nisso também. Estamos iguais aos fariseus da época de Cristo: cheios de opinião própria e cheios de Talmudes inventados por nós. O que fazer diante disso? Imitaremos a Jesus, usando um poderoso “Está escrito”? Ou usaremos um nefando “eu acho”, “Ah, não tem nada a ver”?

“Porque o Senhor disse: Pois que este povo se aproxima de mim, e com a sua boca, e com os seus lábios me honra, mas o seu coração se afasta para longe de mim e o seu temor para comigo consiste só em mandamentos de homens…” (Isaías 29:13)

“Não por força nem por poder, mas pelo meu Espírito, diz o Senhor dos Exércitos.” (Zacarias 4:6)

“Meu povo é destruído, porque lhe falta conhecimento…” (Oseias 4:6)

“Não tema ninguém ir a extremos, enquanto é um atento estudioso da Palavra, humilhando a alma a cada passo.” (Mensagens Escolhidas, vol. 2, p. 22)

Eu o convido, caro leitor, à leitura do primeiro capítulo de Mensagens Escolhidas, vol. 2. Tenho fé que a leitura dele transformará a tua ideologia: quer seja conservadora, quer seja liberal. Que sejamos unidos pela Palavra! Paz seja conosco. Amém!

  • Lilian Oliveira

    Então o talmud não é inspirado, mas os de EGW são?