Restauração do domínio

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 Filament.io 0 Flares ×

O autor da lição fez um esquema muito prático e simples de ser entendido. Vejamos o que ele fez:

1- Sábado

Percebi que as introduções das lições são um sumário de tudo aquilo que vai ser discutido durante a semana. Tem três coisas que o autor coloca: como era o Éden; o domínio do santo par no Éden e o êxodo do Éden; e a restauração do Éden.

2- Domingo, “Criado para dominar”

Há uma explicação sobre o que é esse domínio. Nós pensamos como senso comum pensa: “domínio” é algo ruim e nos remete a despotismo. A lição, porém, trata esse assunto com sabedoria. O comentário de Ellen White sobre a lição deixa a pista no terceiro parágrafo da lição de domingo: inteligência, cérebro pensante e autônomo.

Era propósito de Deus que o homem usasse esse domínio (toda a capacidade intelectual) para constantemente aprender sobre Ele e que começasse a pensar e agir como Ele. “Seu caráter seria moldado de acordo com o caráter divino.” (CBA, V. 1, p. 1082).

3- Segunda, “O privilégio do dominio”

Tínhamos o privilégio do domínio. “No princípio Ele criou o homem como o ser equilibrado.” (CPE, p. 273). Adão tinha um ótimo relacionamento com Deus, com Eva e consigo mesmo. Toda sua mente era portada à ciência da natureza e, diante dela, Adão exprimia nos lábios o louvor de gratidão a Deus por Sua sabedoria, Seu poder e Sua misericórdia. Era através da natureza que o santo par conseguia vislumbrar um Deus infinito. “Em sua perfeição original, todas as coisas criadas eram a expressão do pensamento de Deus.” (PJ, p. 18) Era o intuito de Deus que o homem O conhecesse por meio da criação.

Para tanto, o homem devia ter um ofício sadio. Deus deu o trabalho como meio de aumentar o domínio de Adão. A natureza e o santo par viviam em harmonia: ela dava as condições de vida e eles cuidavam dela e aprendiam mais sobre Deus. Por isso, a mente de nossos primeiros pais sempre estiveram voltadas a Deus . Até o dia em que…

4- Terça,  “Limites”

Deus havia colocado limites no Jardim. O limite, segundo o comentário é: “Tudo quanto, pois, quereis que os homens vos façam, assim fazendo vós também a eles; porque esta é a Lei e os profetas.”(Mt 7:12).

“A regra áurea da equidade [do equilíbrio] requer que façamos para os outros o que gostaríamos que eles fizessem para nós.” (EDD, [MM 1980] p. 106)

O homem quebrou esse limite. Não consegue, portanto, viver bem com Deus, com o próximo e consigo mesmo. O domínio (capacidade intelectual) foi destinada não mais a Deus, mas as suas próprias pretensões e interesses. Deus é a fonte de todo o conhecimento. Sem Ele, o homem perde o seu domínio, porque a sua mente está obliterada pelo pecado.

O que é pecado? “Adão foi levado a compreender o que o pecado é: transgressão da lei.” (HR, p. 49)

O homem meditava de dia e de noite na lei de Deus, porque ela estava expressa na criação.

“Aqueles que amam o pecado desviar-se-ão da Bíblia [lei de Deus], apreciarão duvidar dela e se tornarão indiferentes aos seus princípios. Eles aceitarão e defenderão falsas teorias. Esses atribuirão os pecados do homem às circunstâncias; e quando ele comete algum grande pecado, eles o tornam objeto de piedade em vez de considerá-lo como um criminoso a ser castigado. Essa disposição sempre acomodará o coração depravado, que com o correr do tempo desenvolverá os princípios da natureza decaída. Por um processo geral, os homens abolem de uma vez o pecado para evitar a desagradável necessidade de empenho e reforma individual. Para se livrarem da obrigação de esforçar-se, muitos estão prontos a declarar sem importância todo o trabalho e esforço de sua vida enquanto seguindo os princípios sagrados da Palavra de Deus.” (T1, p. 441)

“A corrupta natureza humana precisa ser subjugada, e não exaltada. Unicamente assim poderemos nos tornar puros e incontaminados.” (TI, v. 8, p. 234)

6- Quarta, “Cuidado da terra”

Como subjugar o pecado e nos tornarmos puros e incontamináveis? Cuidando da terra. O trabalho traz benefício ao homem. É por meio dele que Deus nos concede e restaura o domínio em nós. Enquanto ficarmos ociosos na igreja, seremos impuros e “contamináveis”. A humanidade, porém, dá mais valor a criatura do que ao Criador.

Esse valor é depositado em animais, pedaços de madeira esculpido, em uma TV de plasma, um carro, ou em um pastor, uma filosofia, ou em um marido, ou numa esposa, ou filhos… Ou em um pai, ou uma mãe.

Jesus disse: “Quem ama o pai ou a mãe mais do que a mim não é digno de mim; e quem ama o filho ou a filha mais do que a mim não é digno de mim.”(Mt 10:37)

“Os que não possuem um conhecimento de Deus mediante a aceitação da revelação que de Si mesmo deu em Cristo, esses só obterão um conhecimento imperfeito dEle, na natureza; e esse conhecimento, longe de proporcionar conceitos elevados acerca de Deus e colocar o ser inteiro em conformidade com Sua vontade, tornará os homens idólatras…” (ME, v. 1, p. 295)

6- Quinta, “Domínio restaurado”

“Curto é o tempo de que dispomos aqui. Não podemos passar por esta vida senão uma vez; tiremos, pois, ao fazê-lo, o melhor proveito de nossa vida. A tarefa a que somos chamados não requer riquezas, posição social, nem grandes capacidades. O que se requer é um espírito bondoso e desprendido, e firmeza de propósito. Uma luz, por pequena que seja, se está sempre brilhando, pode servir para acender outras muitas. Nossa esfera de influência poderá parecer limitada, nossas capacidades diminutas, escassas as oportunidades, nossos recursos reduzidos; no entanto, se soubermos aproveitar fielmente as oportunidades de nossos lares, maravilhosas serão nossas possibilidades. Se abrirmos o coração e o lar aos divinos princípios da vida, poderemos ser condutos que levem correntes de força vivificante. De nosso lar fluirão rios de vida e de saúde, de beleza e fecundidade numa época como esta, em que tudo é desolação e esterilidade.” — A Ciência do Bom Viver, 355.

“O melhor remédio que podemos ministrar à igreja, não é pregar nem fazer sermões, mas providenciar trabalho para os membros. Caso se empenhasse em trabalho, o desalentado se esqueceria em breve de seu desânimo; o fraco se tornaria forte; o ignorante, inteligente; e todos estariam preparados para apresentar a verdade como é em Jesus.” (Evangelismo, p. 356)

7- Sexta, “Considerações finais”

O homem pecou, porque permitiu-se ficar ocioso. Deus quer restaurar o homem por meio de Cristo. O homem agora tem Um Exemplo a seguir. Esse Exemplo guardou a lei: trabalho humanitário. Deus quer que trabalhemos em Sua causa, a fim de restaurar o domínio: uma mente apta a revelar constantemente o Seu caráter.

Por