Escolhidos

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 Filament.io 0 Flares ×

 

As epístolas de Pedro possuem um significado todo especial para nós que vivemos no tempo do fim (1 Pedro 1:5). Suas epístolas assumem um tom pastoral, de acordo com a ordem recebida de Cristo (João 21:15). Nelas encontramos conselhos sobre casamento, modéstia, deveres para com as autoridades civis, estilo de vida, conselhos aos jovens… Enfim, como um pastor deve cuidar de cada área vital de sua igreja, assim Pedro admoestou e aconselhou o corpo de crentes espalhados pela Ásia Menor.

O apóstolo inicia sua segunda carta afirmando que os seus leitores eram eleitos. A palavra “eleito” vem do grego ekletoi, literalmente, “os escolhidos”. Sobre isso, Cristo fez uma distinção em Mateus 22:14, vejamos:

“Pois muitos são chamados, mas poucos são escolhidos.” Mateus 22:14

Ser chamado e ser escolhido são conceitos diferentes. O fato de alguém ter sido chamado não significa que, obrigatoriamente, será escolhido para a salvação. O convite, ou chamado, para a salvação é feito a todos (1 Tessalonicenses 2:14), mas a escolha de aceitar o convite parte inteiramente da pessoa, esta decidirá se irá ou não resistir aos apelos do Espírito Santo. Por esta razão Pedro diz os escolhidos são aqueles que aceitaram a “obra santificadora do Espírito” (1 Pedro 1:2).

Alguns podem perguntar: “Então quer dizer que Deus escolhe as pessoas que serão salvas”? Óbvio que SIM! Afinal de contas, Ele não pode levar qualquer um para o Céu, mas essa não é uma decisão arbitrária dEle, e sim um ato consciente do próprio indivíduo. “Os cristãos são aqui considerados escolhidos porque haviam atendido ao chamado de Deus.” (CBA, vol. 7, p. 600).

Contudo, os eleitos que aceitaram o convite da graça não viverão uma vida de comodidades egoístas, em desrespeito às leis de Deus, antes, purificarão sua vida através da obediência.

escolhidos de acordo com a pré-conhecimento de Deus Pai, pela obra santificadora do Espírito, para a obediência a Jesus Cristo.” 1 Pedro 1:2

A seguir, o discípulo evoca os acontecimentos do Antigo Testamento para defender sua tese. Como os peregrinos hebreus tiveram sua fé provada ao peregrinarem por terra estrangeira, assim os escolhidos de Deus deverão sofrer provações, aflições e tentações a fim de que Deus possa testá-los e, dessa forma, conceder-lhes “a herança que jamais poderá perecer, macular-se ou perder o seu valor. Herança guardada nos céus.”1 Pedro 1:4.

“O homem tem sido colocado num mundo de tristeza, cuidado e perplexidade. Ele é colocado aqui para ser provado e experimentado, como o foram Adão e Eva, a fim de que desenvolva um caráter correto e extraia harmonia da discórdia e confusão.”  (Ma 224.6)

Esta vida é nosso tempo de provação. Somos colocados sob a disciplina e o governo de Deus a fim de formarmos um caráter e adquirir hábitos para vida superior.” (1888 Materials, p. 728, 729).

Por esta razão, Deus não levará qualquer pessoa para o Céu, mas somente aqueles que decidirem pautar sua vida pela lei de Deus e purificarem-se pela obediência (1 Pedro 1:22). Como povo escolhido, somos chamados a caminhar pelo caminho da santidade (Isaías 35: 8 e 9). “Sede santos, porque Eu sou santo” (Levíticos 19:2).

Santidade […] é inteira entrega da vontade a Deus; é viver por toda a palavra que sai da boca de Deus; é fazer a vontade de nosso Pai celestial” ((Atos dos Apóstolos, p. 50, 51).

“Esta é a vontade de Deus”, escreve o apóstolo Paulo, “a vossa santificação” (1Ts 4:3). Em todo o trato com Seu povo, o objetivo de Deus é a santificação da igreja. Ele os escolheu desde a eternidade para que fossem santos. Deu Seu Filho para morrer por eles, para que pudessem ser santificados pela obediência à verdade, livres de todo o egoísmo. Requer deles trabalho pessoal e entrega individual (Atos dos Apóstolos, p. 557, 558).

Da mesma forma que a antiga aliança foi ratificada com a aspersão do sangue do sacrifício sobre o povo (Exôdo 24:8), Deus estabeleceu sua aliança conosco pelo sangue de Cristo, o Cordeiro sem defeito e sem mácula. Isso significa que devemos viver em novidade de vida, em fidelidade constante à lei de Deus. Não estaremos livres da tentação ou aquém dela, mas se mantivermos nosso olhos, mente e coração fixos em Cristo o pecado não terá domínio sobre nós.

O Deus da paz vos conceda santidade perfeita; e que o vosso ser inteiro, os espírito, a alma e o corpo sejam guardados de modo irrepreensível para o dia da vinda de nosso  Senhor Jesus Cristo. Quem vos chamou é fiel, e é ele que agirá. ” (1 Tessalonicenses 5:23,24, Bíblia de Jerusalém)

O convite para a salvação é estendido a todos, mas infelizmente poucos o aceitarão. Poucos escolherão viver uma vida de santidade, em obediência aos mandamentos, buscando e alcançando a perfeição de caráter. Estes poucos é que são os escolhidos de Deus. Que possamos todos os dias orar pedindo auxílio do Espírito Santo em nossa jornada diária, para que andemos em novidade de vida como filhos obedientes, que não se deixam amoldar pelos maus desejos de outrora, quando viviam na ignorância. (1 Pedro 1:14)

Deus com justiça condena a todo que não torne Cristo seu Salvador pessoal; mas perdoa a toda alma que a Ele se achega, com fé, e a habilita a fazer as obras de Deus e, pela fé ser um com Cristo. Desses diz Jesus: “Eu neles, e Tu em Mim, para que eles sejam perfeitos em unidade [esta unidade traz a perfeição de caráter], e para que o mundo conheça que Tu Me enviaste a Mim, e que os tens amado a eles como Me tens amado a Mim.” João 17:23. O Senhor tomou todas as providências para que o homem tenha salvação plena e livre, e seja completo nEle. Deus deseja que Seus filhos desfrutem os brilhantes raios do Sol da Justiça, para que todos possam ter a luz da verdade. Deus por preço infinito proveu salvação ao mundo – o preço do dom de Seu Filho unigênito. O apóstolo pergunta: “Aquele que nem mesmo a Seu próprio Filho poupou, antes O entregou por todos nós, como nos não dará também com Ele todas as coisas?” Romanos 8:32. Portanto, se não formos salvos, a culpa não estará com Deus, mas conosco, porque deixamos de cooperar com os agentes divinos. Nossa vontade não coincidiu com a vontade de Deus.” ME1 375.1

Annik Catunda