Anel de casamento: uma pergunta e um apelo

                                                             pedido-de-casamento-o-que-dizer
A surpresa montada, talvez em um ato público ou privado, a família feliz, os amigos/cupidos com o sentimento de missão cumprida e Deus vendo seu plano original sendo realizado.

“Quer casar comigo?”. Essa frase revoluciona a vida de um casal. O rapaz ajoelhado aos pés da noiva em potencial, o coração acelerado da bela moça e a expectativa da resposta quase que óbvia ao pedido inusitado: Sim! (Na maioria dos casos)

Todos comemoram, o momento geralmente é selado por um beijo, felicidade transborda aos corações, finalmente o processo de autoexame chamado namoro teoricamente termina e dá espaço a um nível diferente, o noivado. Agora estamos na reta final para um suposto casamento que será ricamente abençoado por Deus.

Ah, espera, estou esquecendo um pequeno detalhe, literalmente pequeno.

Continuar lendo

O Sábio bem o sábio ouve

Gostaria de tratar de um texto que é muitas vezes mal interpretado e que, hoje em dia, tirado de seu contexto, tem servido de pretexto para todo tipo de hábito questionável, principalmente no que diz respeito às formas de entretenimento.

O verso é curto e bastante conhecido: “Examinai tudo. Retende o bem” (1 Tess. 5:21).

O primeiro questionamento é: o que seria o “tudo” a que se refere o texto? A partir desse texto é possível concluir que o crente está autorizado a, por exemplo, ler livros espíritas ou daquele pastor famoso da televisão que tira o demônio, assistir a qualquer filme ou novela, estudar bulas papais, ler livros de magia etc., e depois disso, reter o que julga ser correto? Pode-se experimentar qualquer coisa, desde que ao final se retenha o que é o bem?

Em segundo lugar, o que é “o bem”, que deve ser o nosso objetivo? O bem de que trata o texto é subjetivo, de maneira que depende do julgamento do examinador, ou a Bíblia traz parâmetros objetivos que estabelecem a forma pelo qual se pode “examinar” a fim de encontrar “o bem”. Continuar lendo

Será isto um “Dejavu” coletivo?

O povo de Israel queria um rei. Esse desejo de ter um líder começou lá com Gideão (cf. Jz 8:22). Ele, no entanto, reconheceu Aquele que dominava tudo na terra e no céu: “Nem eu nem meu filho reinaremos sobre vós, mas o Senhor reinará sobre vós.”(Jz 8:23). É notório a vontade que Israel tinha, contudo, surge a pergunta: por que o povo escolhido por Deus queria um rei mesmo? Continuar lendo

O que é que a Veja, Leonardo Gonçalves e o rock têm

Olá leitores!

Hoje teremos um post bem diferente, mas trará um assunto tão velho quanto o mundo. Sei da responsabilidade que tenho ao abordar o tema desta maneira, porém maior responsabilidade ainda tenho de advertir meus irmãos e, quem sabe, levar à uma importante reflexão sobre o papel que a música adventista vem exercendo sobre os não-adventistas, como a mesma é vista pela mídia e de que forma deveria ser encarada por todos aqueles que desejam ter um compromisso real e verdadeiro com a Palavra.

No dia 13 de Novembro de 2015, a revista Veja lançou um artigo intitulado “Aleluia, rock ‘n’ roll” (leia aqui). Ali, a autora descreve o avanço da música gospel, com ênfase em 3 artistas – sendo um deles um famoso cantor adventista – e nos convida a conhecer o “indie gospel brasileiro”.

Pegando como base o citado artigo, compararei trechos e falas da matéria com textos da Bíblia, Espírito de Profecia e do Manual da Igreja. Talvez eu nem sequer chegasse a comentar sobre tal matéria, mas o fato de a Igreja Adventista ser citada, e de certa forma estar sendo representada, chamou minha atenção bem como a de muitos amigos. Também sei que pelo fato da matéria ter sido veiculada pela internet muitos terão acesso ao seu conteúdo.

Sei que muitas das partes escritas no texto não se aplicam aos citados cantores adventistas, ainda assim vou destacá-las para nosso ensino e aprendizado. Meu objetivo está muito além de levantar mais polêmica sobre o assunto, antes sou movida pelo zelo em obedecer ao que Deus nos ordenou por meio de Seus profetas e, por isso, julgo ser necessária a abordagem como seguirá.
Continuar lendo

Quando Ele muda de opinião

Quem você procura quando quer um conselho? Talvez a resposta desta pergunta dependa da situação, no entanto, numa boa parte dos casos, nós buscamos conselhos de pessoas que concordam conosco. Não?

Infelizmente, o ser humano confunde um conselheiro com um confessionário. Ambos vão te ouvir, mas o bom conselheiro é aquele que não necessariamente vai concordar sempre com você, na verdade, o melhor conselheiro é aquele que não vai esconder a verdade mesmo que ela seja difícil de ouvir. Continuar lendo

A Pressa é Inimiga da Conversão

Um fato contemporâneo amplamente divulgado em diversas redes sociais de adventistas, é que vemos cada vez mais pastores, missionários, obreiros, evangelistas, entre outros do gênero, disputarem praticamente no tapa o batismo de pessoas para as suas respectivas igrejas. Alguns postam ‘selfies’ mostrando auditórios lotados de “ovelhas que voltaram ao redil”, outros postam vídeos desses mesmos fiéis, falando em uníssono, que “são de Jesus”, e ninguém tasca. Recentemente, testemunhei alguns pastores, cantores “oficiais” da igreja (seja lá o que isso for) comemorarem mais de 40 batismos em determinada localidade. “Aham, Cláudia. Senta lá…”. Vamos com calma. Continuar lendo

O megafone

O megafone é um aparelho que amplia o som. Uma pessoa pode ser ouvida por outra, mesmo que estejam muito distantes, porque esse objeto projeta as ondas sonoras em uma direção específica. Com essa definição, pode-se comparar na forma que Deus Se direciona a nós, a fim de ter uma comunicação com Seu povo. No tempo do povo de Israel, Ele usava o megafone chamado de profeta, para que fosse ampliado a Sua vontade para os homens. Esses megafones não falavam por si mesmos, mas transmitiam a mensagem de Deus. Continuar lendo

“Que sofrência!”

“Que sofrência!”, diria um desavisado que lesse rapidamente o título de nosso estudo semanal sobre a vida profética de Jeremias desta semana. Sofrência é um termo que não pertence a nenhum dicionário da língua portuguesa, por que esta palavra simplesmente não existia há pouco tempo atrás. Porém, devido à grande repercussão popular de um bregão rasgado de uma forma de fazer música, esta palavra ficou em destaque.

Sofrência é, na verdade, um neologismo (ui) da língua portuguesa, formado a partir da junção das palavras “sofrimento” e “carência”, e possui um significado similar ao da expressão popular “dor de cotovelo”. Mas, nessa semana, o que estudamos sobre Jeremias se assemelha a uma “dor de cotovelo”? Vamos um pouco mais profundo que isso? Reserve. Continuar lendo

Matando o profeta

A lição dessa semana nos trouxe um tema muito importante, um tema que infelizmente tem se repetido em nossos dias tanto quanto nos dias de Israel. O jovem Jeremias foi chamado por Deus para levar mensagens fortes a um povo desviado. Aliás, precisamos ver a pessoa do profeta não como alguém que simplesmente prevê o futuro, mas, principalmente, como alguém designado por Deus para alertar, repreender e ensinar Seu povo escolhido. Continuar lendo